Horário dos Encontros

Encontros aos sábados das 14h30 às 16h na Capela Nossa Senhora Aparecida. Compareçam!!!!

Encontros de Catequese - Crisma e Perseverança


Encontros aos sábados das 14h30 às 16h00 
na Capela Nossa Senhora Aparecida.

   
CONTAMOS COM A PRESENÇA DE TODOS!!!
PAZ E BEM!!!

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


1º Encontro: Apresentação

            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem e após os catequizandos chegarem, falar sobre o “altar”, que devemos fazer reverência e enfocar que mesmo brincando, cantando, batendo palmas, ... estamos em um local santo e devemos respeitar sempre.
Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para interagir com o grupo e com as catequistas.

1.      ORAÇÃO INICIAL. (10 min)
2.      APRESENTAÇÃO DAS CATEQUISTAS. (10 min.)
3.      APRESENTAÇÃO DOS CATEQUIZANDOS. (10 min.)
4.      DINÂMICAS

1. ORAÇÃO INICIAL: Orações do cristão.

2. APRESENTAÇÃO DAS CATEQUISTAS: uma apresentação breve das catequistas para familiarização dos catequindos.

3. APRESENTAÇÃO DOS CATEQUIZANDOS: 
Material necessário: uma caixinha de fósforos.
A caixinha de fósforos é entregue ao primeiro catequizando da roda, esse deverá acender o fósforo e se apresentar noperíodo em que o fósforo estiver aceso. Após sua apresentção, passar a caixinha para o catequizando que está ao seu lado e repetir o processo até que todos tenham se apresentado.

4. DINÂMICAS:

      Dinâmica: O garotinho chamado Amor (10 min.)

Objetivo: acolhida e integração do grupo.   
Material: cartaz contendo a anotação dos comandos a serem realizados.                                    
Antes de iniciar a leitura do texto, passar a instrução aos catequizandos dos comandos que deverão realizar cada vez que na história aparecer as seguintes palavras:

Paz - aperto de mão
Amor - um abraço
Garra - troca de lugar
Sorriso - gargalhada
Bem vindos - palmas

Texto: O garotinho chamado AMOR

Era uma vez um garotinho chamado AMOR. O AMOR sonhava sempre com a PAZ.
Certo dia descobriu que a vida só teria sentido quando ele descobrisse a PAZ e foi justamente nesse dia que o AMOR saiu a procura da PAZ.
Chegando na Igreja onde ele se reunia com sua turma da Perseverança todos os sábados, encontrou os seus amigos que tinham um SORRISO nos lábios e foi nesse momento que o AMOR passou a perceber que o SORRISO dos amigos, transmitia a PAZ. Pois percebeu que a PAZ existe no interior de cada um de nós, e para isso basta dar um SORRISO.
E nesse instante, interferindo os pensamentos do garotinho AMOR, a turma gritou bem forte:
- AMOR, AMOR, você encontrou a PAZ que procurava?
O AMOR respondeu com muita garra: sim! Sim! Encontrei. Vocês querem saber?
Tragam a PAZ, um SORRISO bem bonito e sejam BEM – VINDOS!

       Dinâmica: Uma flor para o meu amigo(a). (10 min.)

Objetivo: Descontrair e ao mesmo tempo ajudar a memorizar o nome dos outros participantes.
Material: uma flor.
     Os participantes sentam-se em círculo e uma das catequistas tem uma flor na mão. Para iniciar, a catequista diz para a pessoa que está à sua esquerda: senhor(a)... (diz o nome da pessoa), receba esta flor que o(a) senhor(a)...(diz o nome da pessoa da direita) lhe enviou! E entrega a flor. O participante que recebeu a flor, deve fazer a mesma coisa. Quem trocar ou esquecer algum nome, passará a ser chamado pelo nome de um bicho. Por exemplo, gato. Quando tiverem que se referir a ele, os seus vizinhos, em vez de dizerem seu nome, devem chamá-lo pelo nome do bicho.
Obs: - As catequistas devem ficar atentas e não deixar os catequizandos entediados.
        - Quanto mais rápido se faz a entrega da flor, mais engraçado fica o jogo.

      Dinâmica: Cartão (Tiro pela Culatra) (15 min.)
  
Objetivo: Integração do grupo.
Material: Cartão anotado De: ___ Para: ___ dobrado ao meio (escrita na parte de dentro), pedaços de papel anotado o nome de cada catequizando para sorteio, caneta.
            Entregar um cartão para cada catequizando e solicitar que escrevam o nome no espaço De:___. Após esse passo, orientá-los a retirar um papel de dentro do saquinho, como se fosse a brincadeira do “Amigo Secreto”, não podendo contar o nome que tirou, como também tirar seu próprio nome.
            Após todos terem sorteado um nome, pedir que eles sentem afastados um dos outros e que escrevam o nome sorteado no espaço Para:___. Concluindo esses passos, informar que nessa brincadeira eles deverão escolher uma tarefa (mico) para o amigo cumprir e anotar o cartão. (As catequistas devem dar ideias de que tipo de tarefa ordenar ao amigo) Quando todos tiverem escolhido a tarefa, os cartões deverão ser entregue as catequistas, para que elas possam ler as tarefas indicadas.
            As catequistas dizem em voz alta o comando anotado no cartão e depois fazem um suspense para dizer quem deverá fazê-lo, lendo o nome escrito no espaço De: ___. Não contar que quem está cumprindo a tarefa indicada é a própria pessoa que escreveu a tarefa para o outro amigo.
Essa é uma dinâmica bem engraçada, mas de acordo com as tarefas solicitadas, pode ser também uma moral, pois quando alguém solicitar uma tarefa complicada ou até mesmo maldosa, poderemos dizer que não devemos desejar aos outros o que não queremos para nós, que somos irmãos e devemos nos respeitar e amar.

      Dinâmica: 1, 2, 3. (5 min.)

Objetivo: interação do grupo através de uma dinâmica divertida.
As catequistas devem solicitar que os catequizandos formem um círculo. Após, solicitar que todos contem de uma a três, em vós alta. Para complicar um pouquinho, solicitar que ao invés de falar o número 1, batam uma palma e digam os outros números normalmente. Para complicar mais um poquinho, solicitar que continuem a bater uma palma ao invés de falar o número 1 e batam os pés para o número 2 e continuem a dizer o número 3 normalmente. Complicando ainda mais, solicitar que continuem a bater uma palma ao invés de falar o número 1 e bater os pés para o número 2 e que deem uma reboladinha para o número 3. 

      Dinâmica: Desafio. (10 min.)

Objetivo: mostrar o quanto temos medo de desafios, pois observamos como as pessoas têm pressa de passar a caixa para o outro, mas que devemos ter coragem e enfrentar os desafios da vida, pois por mais dificil que seja o desafio, no final podemos ter uma feliz, uma vitória.
Material: uma caixa embrulhada para presente, um bombom e um papel escrito: VOCÊ É CORAJOSO. COMA ESSE CHOCOLATE!
Pedir para os catequizandos sentar em círculo, explicar a brincadeira: dentro da caixa há uma ordem/desafio a ser cumprido e vocês irão passar a caixa de mão em mão e quando a música parar, devem segurar a caixa e será a pessoa que cumprirá a ordem/desafio. Colocar uma música animada para tocar.
Uma das catequistas deve ficar controlando o rádio e pausar a música na hora desejada, estando de costas para o grupo. Para quem ficar com a caixa na mão, a catequista que está com o grupo faz perguntas como: Você está preparado? Você terá que cumprir o desafio, seja lá qual for a ordem, você vai ter que obedecer, quer abrir ou vamos continuar?
Se o catequizando optar por abrir, deixá-lo abrir e ver o que há dentro da caixa. Caso ele não queira abrir, iniciar a música novamente e começar a passar a caixa até a música parar novamente. Se o catequizando que ficar com a caixa quando a música parar não topar o desafio, após as perguntas, iniciar a música novamente avisando que esse terceiro não terá escolha, deverá abrir a caixa: Essa é a última vez, agora é para valer e quem pegar a caixa vai ter que abrir, Ok?
Quem ficar com a caixa terá a feliz surpresa de encontrar um chocolate e a ordem para comê-lo.
Obs: providenciar chocolates para todos os catequizandos a ser entregue depois da brincadeira.

5.      O QUE EU ESPERO DAS MINHAS CATEQUISTAS E DA PERSEVERANÇA? (10 min.)

Entregar uma folha para cada caequizando contendo essa pergunta, solicitar que eles coloquem os nomes, pois as folhas serão entregues as catequistas.

6.      ORAÇÃO FINAL.



2º Encontro: Campanha da Fraternidade.

            Tema: “FRATERNIDADE E SAÚDE PÚBLICA”
            Lema: “QUE A SAÚDE SE DIFUNDA SOBRE A TERRA!” (Eclo, 38,8)

Obs.: Preparar o ambiente para acolher os catequizandos.

1.      Oração inicial; (5 min.) 
2.      Música de acolhida; (5 min.)
3.      Contrato; (10 min.)
4.      Apresentação do tema;
- Leitura da história “A pomba e a formiga.” (5 min.)
- Questões para reflexão (10 min.)
- Cartaz da CF – Atividade: descrevê-lo em um pequeno texto. (20 min.)
- Explicação sobre o cartaz da CF 2012 (15 min.)
5.      Atividade para o próximo encontro;
6.      Dinâmica: “O Meu Cartaz da CF 2012”
7.      Oração Final – oração da CF 2012.

1.      Oração inicial: Oração da Campanha da Fraternidade 2012.

2.      Música de acolhida: Olê, Olê, como vai você?

Bota mão no seu rosto ô, ô.
Bota mão no seu pescoço ô, ô.
Bota mão no seu ombro ô, ô.
Bota mão no nariz.

Olê, olê, como vai você? (4x)

Bota a mão na cabeça ô, ô.
Bota a mão na cintura ô, ô.
Bota a mão no joelho ô, ô.
Bota a mão no seu pé.

Olê, olê, como vai você? (4x)

3.      Contrato: preenchimento dos direitos e deveres dos catequizandos e catequistas.

4.      Apresentação do tema:
- Contar a história: “A pomba e a formiga”
Às margens de um riacho cristalino, uma pomba bebia água, quando viu uma formiga no meio da correnteza. Em vão a formiga se esforçava para alcançar a margem. Então, a pomba jogou na água um raminho de mato e a formiga conseguiu se agarrar a ele e se salvar.
Nesse mesmo tempo, passava um caçador que, ao ver a pomba, pensou em abatê-la. Ficou imaginando o belo prato de pomba assada. Quando se preparava para atirar, sentiu uma picada no calcanhar. O caçador abaixou-se para ver o que tinha lhe picado. Era a formiga, a mesma que acabara de ser salva pela pomba. Bem depressa, aproveitando-se da distração do caçador, a pomba aproveitou para fugir da sua mira. Quando o caçador olhou de novo em direção ao rio, aonde a pomba estava, seu almoço já havia desaparecido.
- Questões para reflexão: (colocar uma música suave de fundo)
·         Quando é que eu ajo do mesmo jeito que a formiga?
·         Quando é que sou pomba?
·         Quando sou caçador?
·         Quem foi solidário e fraterno?
- Cartaz da Campanha da Fraternidade:
A cada ano a CF faz importantes reflexões sobre alguma problemática que aflige nossa sociedade. No ano de 2012, a CF nos convida a pensar sobre a saúde pública através do tema: “Fraternidade e saúde pública” e do lema: “Que a saúde se difunda sobre a terra!”
- Atividade: Observe o cartaz da Campanha da Fraternidade de 2012 e descreva-o através de um pequeno texto.
- Explicação sobre o cartaz da CF 2012:
O cartaz atualiza o encontro do Bom Samaritano com o doente que necessita de cuidado (fazer a leitura bíblica: Lc. 10, 29-37). A mão do profissional da saúde, segurando as mãos da pessoa doente, afasta a cultura da morte e visibiliza a acolhida entre irmãos (o próximo). A Igreja como mãe, em sua samaritaneidade, aproxima-se e cuida dos doentes, dos fracos, dos feridos, de todos que se encontram à margem do caminho.
O profissional de pé, o enfermo sentado, olhos nos olhos, lembram o compromisso e a dedicação do profissional da saúde, no processo de cura do paciente, e a confiança do doente naquele que o acolhe e cuida. A acolhida e o cuidado aliviam a dor, estabelecem uma relação de confiança decisiva para a cura e superação das barreiras sociais.
A cruz, que sustenta e ilumina o sentido do cartaz, recorda a salvação de Jesus Cristo nos conquistou. Ela ilumina a vida humana, a morte, as dores, o sofrimento das pessoas sem assistência de saúde. No entanto, é ela também que ilumina o encontro entre o profissional da saúde e o doente, pois aponta para a esperança da transformação completa: um novo céu e uma nova terra.
A alegria no encontro retratado no cartaz recorda aos profissionais da saúde que foram escolhidos para atualizarem a atitude do Bom Samaritano em relação aos enfermos. Mobiliza os gestores do sistema de saúde a se empenharem para possibilitar atendimento digno e saúde para todos. Que a saúde se difunda sobre a terra.

5.      Atividade para o próximo encontro:
 Em grupo ou individual responder as seguintes questões:
a.       O que é Quaresma?
b.      Quando se inicia e quando termina a Quaresma?
c.       Conte-nos os acontecimentos marcantes da Semana Santa.
d.      O que comemoramos na Páscoa?
6.   Dinâmica:Após apresentação do cartaz da CF 2012, cada catequizando deverá fazer o seu próprio cartaz em uma folha sulfite, nesse cartaz deve conter a sua meta a cumprir através dos ensinamentos e reflexões que a CF 2012 está nos proporcionando.
7.   Oração Final – Oração da Campanha da Fraternidade 2012.





3º Encontro: CF 2012 – Ato concreto
17/03/2012
Perseverança: Camila e Talita.
Crisma: Jaqueline e Luciana.
(Encontro realizado na casa da catequista Luciana)

Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.

ORAÇÃO INICIAL. (10 min)
MÚSICA. (5 min.)
LEITURA BÍBLICA E PARTILHA DA PALAVRA. (15 min.)
DINÂMICA (10 min.)
HISTÓRIAS (20 min.)
ORAÇÃO + 1 DEZENA DO TERÇO (20 min.)
MÚSICA (5 min.)
ORAÇÃO FINAL (5 min.)
PARTILHA

ORAÇÃO INICIAL: Seguir a sequência da folha impressa com as orações do cristão.

MÚSICA:  
Só porque você veio é festa no céu é festa aqui (2x)
Com um aperto de mão, um abraço apertado, um sorriso bem largo
Vamos louvar ao Senhor
Ele está aqui, Ele está ao seu lado

 LEITURA BÍBLICA: Lc 10, 29-37 
- PARTILHA DA PALAVRA (todos).

DINÂMICA: AS FLORES 
Apresentar duas flores aos perseverantes e crismandos, uma murcha e outra bonita.
Estas duas flores simbolizam a doença e a saúde. Para vocês, o que é saúde?
Completar o conceito de saúde que vai além da ausência de doenças:
“Saúde é um processo harmonioso de bem estar físico, psíquico, social e espiritual, e não apenas a ausência de doença, processo que capacita o ser humano a cumprir a missão que Deus lhe destinou, de acordo com a etapa e a condição de vida em que se encontre.”
“A vida saudável requer harmonia entre corpo e espírito, entre pessoa e ambiente, entre personalidade e responsabilidade”.
Se fossemos escolher uma destas flores para oferecer a alguém, qual seria? A bonita, claro! (pedir para que um dos catequizandos se levante e entregue uma rosa as duas senhoras que estarão presente).
Não oferecemos aquilo que julgamos que não agrada. Não nos doamos, se não gostamos de nós mesmos.
Deus criou o homem e a mulher à sua imagem, deu-nos dignidade de filhos, de pessoa humana com capacidade de amar. É ponto de partida para amar, descobrir o próprio valor, viver a dignidade e proclamá-la a toda pessoa. Esta é a força capaz de estabelecer relacionamentos fraternos, solidários, que a CF nos propõe. Ela quer suscitar o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhorias no sistema público de saúde. 

HISTÓRIAS: 

 “A borboleta e a flor”
Certa vez, um homem pediu a Deus uma flor... e uma borboleta. Mas Deus lhe deu um cacto... e uma lagarta. O homem ficou triste, pois não entendeu o porque de seu pedido vir errado. Daí ele pensou: Também, com tanta gente para Ele atender!, então resolveu não questionar.
Passando algum tempo, o homem foi verificar o cacto e a lagarta que deixara esquecido no quintal. Para sua surpresa, do espinhoso e feio cacto tinha nascido a mais bela das flores e a horrível lagarta transformara-se em uma belíssima borboleta.
Comentário: Por não entendermos os projetos de Deus e acharmos que o seu pensar é igual ao nosso, às vezes nos decepcionamos, porém Deus é fiel de todas as maneiras e o seu caminho é o melhor, mesmo que aos nossos olhos pareça estar dando tudo errado. Se você pede a Deus uma coisa e recebe outra, confie e tenha certeza de que Ele sempre dá o que você precisa no momento certo. Nem sempre será o que você deseja, mas o que você precisa. Como Ele nunca erra na entrega de seu pedido, siga em frente sem murmurar ou duvidar.
O espinho de hoje será a bela flor de amanhã.

 “O mais importante na vida é acreditar”
Uma pobre mulher morava em uma humilde casinha com sua neta muito doente. Como não tinha dinheiro para levá-la a um médico e vendo que apesar de seus muitos cuidados e remédios com ervas, a pobre criança piorava a cada dia, resolveu então, iniciar uma caminhada de duas horas até a cidade mais próxima em busca de ajuda. 
Chegando ao único hospital público da região foi aconselhada a voltar para casa e levar a neta para que esta fosse examinada. Quando ia voltando, já desesperada por saber que a neta não conseguia sequer levantar da cama e sem uma ambulância para buscá-la, a senhora passou em frente a uma Igreja e como tinha muita fé em Deus, apesar de nunca ter estado em uma Igreja, resolveu pedir ajuda.
Ao entrar, encontrou algumas senhoras ajoelhadas no chão fazendo orações. As senhoras receberam a visitante e após se inteirarem da história, convidaram-na para se ajoelhar e orar pela criança. Após quase uma hora de fervorosas orações e pedidos de intercessão ao Pai, as senhoras já iam se levantando quando a mulher lhes disse:
_ Eu também gostaria de fazer uma oração.
Vendo que se tratava de uma mulher de pouca cultura, as senhoras retrucaram:
  _ Não é necessário. Com nossas orações, com certeza sua neta vai melhorar.
Ainda assim, a senhora insistiu em orar:
_ Deus, sou eu, olha. A minha neta está muito doente, por isso eu gostaria que você fosse lá curá-la. Deus, você pega uma caneta que eu vou dizer onde fica.
As senhoras estranharam, mas continuaram ouvindo.
_ Já está com a caneta Deus? Você vai seguindo o caminho daqui de volta para Belo Horizonte e quando passar o rio com a ponte, você entra na segunda estradinha de barro, não vai errar!?
A essa altura as senhoras já estavam se esforçando para não rir; mas ela continuou.
_ Seguindo ais uns 20 minutos tem uma vendinha, entra na rua depois da mangueira que o meu barraquinho é o último da rua, pode ir entrando que não tem cachorro. Olha Deus, a porta está trancada, mas a chave fica debaixo do tapetinho vermelho, na entrada, o senhor pega a chave, entra e cura minha netinha. Mas olha só Deus, por favor, não esquece de colocar a chave de novo em baixo do tapetinho vermelho, senão eu não consigo entrar quando chegar em casa...
As senhoras interromperam aquela situação dizendo que não era assim que se deveria orar, mas que ela poderia ir para casa sossegada, pois elas eram pessoas de muita fé em Deus, com certeza, iria ouvir as preces e curar a menina.
A mulher foi para casa um pouco desconsolada, principalmente por ouvir que não era assim que rezava, mas ao entrar em sua casinha, sua neta veio correndo lhe receber.
_ Minha netinha, você está de pé! Como é possível?! 
E a menina explicou:
_ Eu ouvi um barulho na porta e pensei que fosse a senhora voltando, porém entrou um homem muito alto com um vestido branco em meu quarto e mandou que eu levantasse. Não sei como, mas eu simplesmente levantei. E, quase em prantos, a menina continuou:
_ Depois ele sorriu, beijou minha testa e disse que tinha que ir embora, mas pediu que eu avisasse a senhora que ele ia deixar a chave em baixo do tapetinho vermelho.
Comentário: O mais importante na vida é acreditar!!! A fé dos simples comove o coração de Deus, se existe algo que Ele não resiste é a humildade.

ORAÇÃO: convidada especial irá conduzir a oração e uma dezena do terço.

MÚSICA: Cura-me Senhor – Anjos de Resgate.


Senhor, estou nesse momento aqui, por Tuas chagas vou pedir: cura-me... cura-me
 E lava o meu passado, com Teu Sangue derramado.
Senhor, ainda dói dentro de mim, os erros que eu cometi. Cura-me... cura-me.
E lava meu passado, com Teu Sangue derramado.
Vem ser a voz que me aconselha, vem ser o ar que eu respiro.
Pois Tu és o Pão que me sustenta. Tu és o Deus que me alimenta.
Cura-me Senhor, cura-me Senhor! Enxuga as minhas lagrimas de dor.
Cura me Senhor, cura-me Senhor! E me devolve a vida com Teu amor.
Senhor, ferido estou diante de Ti e de joelhos vou pedir: cura-me... cura-me...


ORAÇÃO FINAL: pedidos e agradecimentos, em especial pela saúde das duas senhoras presentes.

PARTILHA: bolo, pão, torta, bolacha e suco.




4º Encontro: Quaresma, Semana Santa e Páscoa
24/03/2012
Perseverança: Camila e Talita.
Crisma: Jaqueline e Luciana.

            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.
1.      ORAÇÃO INICIAL. (10 min.)
2.      HISTÓRIA. (10 min.)
3.      RODA DA CONVERSA SOBRE O TEMA (30 min.)
4.      SISTEMATIZANDO O TEMA (15 min.)
5.      CONCLUINDO O TEMA ABORDADO - CATEQUISTAS (20 min.)
6.      ORAÇÃO FINAL (5 min.)

1 – ORAÇÃO INICIAL: utilizar a folha de orações que foi colada no caderno.

2 – HISTÓRIA: Passeio pelo mundo.

Hoje vou contar para vocês uma história que aconteceu comigo, o passeio que fiz recentemente pelo mundo, conhecendo lugares e pessoas diferentes. Uma curiosidade que notei nesse passeio, foi a maneira como as pessoas se cumprimentavam, então, eu irei contar a vocês e nós iremos nos cumprimentar também.
O primeiro lugar que passei, foi nos Estados Unidos e lá todos se cumprimentavam com um tapinha e soquinho de mão.
Depois, fui para o Canadá e lá, todos se cumprimentam com encontro de pés.
Depois, fui para a Bolívia, e lá, todos se cumprimentam com encontro de cotovelos.
Depois, fui para a Alemanha, e lá, todos se cumprimentam com encontro de joelhos.
Depois, fui para a África, e lá, todos se cumprimentam com encontro de quadril.
Depois, fui para o Japão, e lá, todos se cumprimentam com as mãos juntas e curvando a cabeça.
Depois, fui para a China, e lá, todos se cumprimentam com um sorriso.
Depois, fui para o México, e lá, todos se cumprimentam com beijo no rosto.
Bom, por último, o melhor lugar, o Brasil, onde todos querem ser amigos, querem acolher as pessoas e todos se cumprimentam com um grande abraço.

3 – RODA DA CONVERSA SOBRE O TEMA:

No encontro do dia 10/03 entregamos uma atividade a ser realizada em casa, individual ou em grupo, pela internet, bíblia e demais livros, desde que coerentes com os ensinamentos da nossa religião.
Organizar uma roda da conversa, onde todos os catequizandos poderão expor sobre o tema, por meio de suas pesquisas, salientar a importância da participação de todos e que nós, estamos reunidos para aprendermos, uns com os outros.

4 – SISTEMATIZANDO O TEMA:

            Dividi-los em 3 grupos (para fazer a divisão, falar número 1 para o primeiro que está sentado, 2 para o segundo, 3 para o terceiro, 1 para o quarto e assim vai, no final, reunir todos os 1, todos os 2 e todos os 3, mesclando bem a turma)  e entregar para cada grupo uma folha de papel pardo. Orientá-los a anotar o nome de todos os integrantes do grupo em um canto da folha.
            Por meio de sorteio, cada grupo ficará com  um tema abordado no encontro e terão 10 minutos para produzir um cartaz, podendo ser desenho, frase, passagem bíblica e até mesmo o entendimento deles sobre o tema, uma conclusão.
            Após o tempo de 10 minutos, haverá o tempo de 5 minutos e cada equipe, brevemente, apresentará aos demais o trabalho elaborado, para isso, cada grupo deverá ter um ou dois porta-voz.

5 – CONCLUINDO O TEMA ABORDADO – CATEQUISTAS.
            Por meio de apresentação em Power Point, vídeos e comentários, as catequistas farão o fechamento do tema abordado nesse encontro.

6 – ORAÇÃO FINAL: pedidos e agradecimentos.



5º Encontro: Confissão
Ato concreto: Lava pés e Instituição da Eucaristia.
31/03/2012
Perseverança: Camila e Talita.
Crisma: Jaqueline e Luciana.

            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.
1.      ORAÇÃO INICIAL. (05 min.)
2.      DINÂMICA. (10 min.)
3.      RODA DA CONVERSA SOBRE O TEMA CONFISSÃO. (30 min.)
4.      ATO CONCRETO: LAVA PÉS (20 min.)
5.      ATO CONCRETO: A INSTITUIÇÃO DA EUCARISTIA. (20 min.)
6.      ORAÇÃO FINAL (5 min.)

1 – ORAÇÃO INICIAL: orações do cristão.

2 – DINÂMICA: Árvores dos defeitos e qualidades.

Cada catequizando receberá duas folhas, uma amassada e a outra normal. Na folha normal orientá-los a escrever uma qualidade pessoal. Na folha amassada, orientá-los a escrever um defeito.
Notar os comentários que eles irão fazendo, pois alguém vai comentar que é difícil escrever um defeito, identificar o próprio defeito. Eis o início do tema do encontro: é muito fácil apontarmos os defeitos dos outros, notarmos os erros que as outras pessoas cometem, suas falhas. E os nossos defeitos? Nossas falhas? Nossos erros?
Reconhecemos quando erramos? Reconhecemos nossas falhas e defeitos?
Fazemos um exame de consciência com frequência?
Nos arrependemos de ter ofendido a Deus por nossas ações?
Mas afinal, o que é pecado? O que é confissão?
(iniciar a roda de conversa e aproveitar o texto do Padre Wagner Augusto Portugal para embasar a conversa)


3 – RODA DA CONVERSA SOBRE O TEMA:

SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO
1. O QUE É A CONFISSÃO?
Confissão ou Penitência é o Sacramento instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, para que os cristãos possam ser perdoados de seus pecados e receberem a graça santificante. Também é chamado de sacramento da Reconciliação.

2. QUEM INSTITUIU O SACRAMENTO DA CONFISSÃO OU PENITÊNCIA?
O sacramento da Penitência foi instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo nos ensina o Evangelho de São João: "Depois dessas palavras (Jesus) soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem vocês perdoarem os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" (Jo 20, 22-23).

3. A IGREJA TEM A AUTORIDADE PARA PERDOAR OS PECADOS ATRAVÉS DO SACRAMENTO DA PENITÊNCIA?
Sim, a Igreja tem esta autoridade porque a recebeu de Nosso Senhor Jesus Cristo: "Em verdade vos digo: tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no céu" (Mt 18,18).

4. POR QUE ME CONFESSAR E PEDIR O PERDÃO PARA UM HOMEM IGUAL A MIM?
Só Deus perdoa os pecados. O Padre, mesmo sendo um homem sujeito às fraquezas como outros homens, está ali em nome de Deus e da Igreja para absolver os pecados. Ele é o ministro do perdão, isto é, o intermediário ou instrumento do perdão de Deus, como os pais são instrumentos de Deus para transmitir a vida a seus filhos; e como o médico é um instrumento para restituir a saúde física, etc.

5. OS PADRES E BISPOS TAMBÉM SE CONFESSAM?
Sim, obedientes aos ensinamentos de Cristo e da Igreja, todos os Padres, Bispos e mesmo o Papa se confessam com frequência, conforme o mandamento: "Confessai os vossos pecados uns aos outros" (Tg 5,16 ).

6. O QUE É NECESSÁRIO PARA FAZER UMA BOA CONFISSÃO?
Para se fazer uma boa confissão são necessárias 5 condições:
a) um bom e honesto exame de consciência diante de Deus;
b) arrependimento sincero por ter ofendido a Deus e ao próximo;
c) firme propósito diante de Deus de não pecar mais, mudar de vida, se converter;
d) confissão objetiva e clara a um sacerdote;
e) cumprir a penitência que o padre nos indicar.

7. COMO DEVE SER A CONFISSÃO?
Diga o tempo transcorrido desde a última confissão. Acuse (diga) seus pecados com clareza, primeiro os mais graves, depois os mais leves. Fale resumidamente, mas sem omitir o necessário. Devemos confessar os nossos pecados e não os dos outros. Porém, se participamos ou facilitamos de alguma forma o pecado alheio, também cometemos um pecado e devemos confessá-lo (por exemplo, se aconselhamos ou facilitamos alguém a praticar um aborto, somos tão culpados como quem cometeu o aborto).

8. O QUE PENSAR DA CONFISSÃO FEITA SEM ARREPENDIMENTO OU SEM PROPÓSITO DE CONVERSÃO, OU SEJA, SÓ PARA "DESCARREGAR" UM POUCO OS PECADOS?
Além de ser uma confissão totalmente sem valor, é uma grave ofensa à Misericórdia Divina. Quem a pratica comete um pecado grave de sacrilégio.

9. QUE PECADOS SOMOS OBRIGADOS A CONFESSAR?
Somos obrigados a confessar todos os pecados graves (mortais). Mas é aconselhável também confessar os pecados leves (veniais) para exercitar a virtude da humildade.

10. O QUE SÃO PECADOS GRAVES (MORTAIS) E SUAS CONSEQUÊNCIAS?
São ofensas graves a Deus ou ao próximo. Eles apagam a caridade no coração do homem e o desviam de Deus. Quem morre em pecado grave (mortal) sem arrependimento, merece a morte eterna, conforme diz a Escritura: "Há pecado que leva à morte" (1Jo 5,16b).

11. O QUE SÃO PECADOS LEVES (ou também chamados de VENIAIS)?
São ofensas leves a Deus e ao próximo. Embora ofendam a Deus, não destroem a amizade entre Ele e o homem. Quem morre em pecado leve não merece a morte eterna. "Toda iniquidade é pecado, mas há pecado que não leva à morte" (1Jo 5, 17).

12. PODEIS DAR ALGUNS EXEMPLOS DE PECADOS GRAVES?
São pecados graves, por exemplo: O assassinato, o aborto provocado, assistir ou ler material pornográfico, destruir de forma grave e injusta a reputação do próximo, oprimir o pobre, o órfão ou a viúva, fazer mau uso do dinheiro público, o adultério, a fornicação, entre outros.

13. QUER DIZER QUE TODO AQUELE QUE MORRE EM PECADO MORTAL ESTÁ CONDENADO?
Merece a condenação eterna. Porém, somente Deus, que é justo e misericordioso e que conhece o coração de cada pessoa, pode julgar.

14. E SE TENHO DÚVIDAS SE COMETI PECADO GRAVE OU NÃO?
Para que haja pecado grave (mortal) é necessário:
a) conhecimento, ou seja, a pessoa deve saber, estar informada que o ato a ser praticado é pecado;
b) consentimento, ou seja, a pessoa tem tempo para refletir, e escolhe (consente) cometer o pecado;
c) liberdade, isto é, significa que somente comete pecado quem é livre para fazê-lo;
d) matéria, ou seja, significa que o ato a ser praticado é uma ofensa grave aos Mandamentos de Deus e da Igreja.
Estas 4 condições também são aplicáveis aos pecados leves, com a diferença que neste caso a matéria é uma ofensa leve contra os Mandamentos de Deus.

15. SE ESQUECI DE CONFESSAR UM PECADO QUE JULGO GRAVE?
Se esquecestes realmente, o Senhor te perdoou, mas é preciso acusá-lo ao sacerdote em uma próxima confissão.

16. E SE NÃO SINTO REMORSO, COMETI PECADO?
Não sentir peso na consciência (remorso) não significa que não tenhamos pecado. Se nós cometemos livremente uma falta contra um Mandamento de Deus, de forma deliberada, nós cometemos um pecado. A falta de remorso pode ser um sinal de um coração duro, ou de uma consciência pouco educada para as coisas espirituais (por exemplo, um assassino pode não ter remorso por ter feito um crime, mas seu pecado é muito grave).

17. A CONFISSÃO É OBRIGATÓRIA?
O católico deve confessar-se no mínimo uma vez por ano, ao menos a fim de se preparar para a Páscoa. Mas somos também obrigados toda vez que cometemos um pecado mortal.


18. QUAIS OS FRUTOS DE SE CONFESSAR CONSTANTEMENTE?
Toda confissão apaga completamente nossos pecados, até mesmo aqueles que tenhamos esquecido. E nos dá a graça santificante, tornando-nos naquele instante uma pessoa santa. Tranquilidade de consciência, consolo espiritual. Aumenta nossos méritos diante do Criador. Diminui a influência do demônio em nossa vida. Faz criar gosto pelas coisas do alto. Exercita-nos na humildade e nos faz crescer em todas as virtudes.

19. E SE TENHO DIFICULDADE PARA CONFESSAR UM DETERMINADO PECADO?
Se somos conhecidos de nosso pároco, devemos neste caso fazer a confissão com outro padre para nos sentirmos mais à vontade. Em todo caso, antes de se confessar converse com o sacerdote sobre a sua dificuldade. Ele usará de caridade para que a sua confissão seja válida sem lhe causar constrangimentos. Lembre-se: ele está no lugar de Jesus Cristo!

20. O QUE SIGNIFICA A PENITÊNCIA DADA NO FINAL DA CONFISSÃO?
A penitência proposta no fim da confissão não é um castigo; mas antes uma expressão de alegria pelo perdão celebrado.


Fonte: Padre Wagner Augusto Portugal (Site da Comunidade Canção Nova)


4 – ATO CONCRETO: Lava pés.
- Leitura bíblica: João 13, 1-17.
- Realizar o ato do Lava pés com quatro catequizandos: um representando Jesus e os outros três representando os discípulos.       .

5 – ATO CONCRETO: Última Ceia.
- Leitura bíblica: Lucas 22, 14-20
- Realizar o ato da Instituição da Eucaristia com todos os catequizandos.  .

6 – ORAÇÃO FINAL: pedidos e agradecimentos.




6º Encontro:

14/04/2012

Crisma: Jaqueline e Luciana.
Perseverança: Camila e Talita

            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.
Tema : Quem sou eu ?

1.      ORAÇÃO INICIAL. (10 min.)
2.      DINÂMICA (45 min.)
3.      CONCLUINDO O TEMA ABORDADO - CATEQUISTAS (25 min.)
4.      ORAÇÃO FINAL E AVISOS(10 min.)

1 – ORAÇÃO INICIAL

    Eclo 17, 1-12 e Eclo 30, 21-25 (Imagem e semelhança de Deus e Alegria de viver)

2- DINÂMICA
  •      Quais meus objetivos na vida?
  •      Quais as minhas qualidades?
  •     Você se acha uma pessoa essencial num ambiente, seja ele qual for (em casa, no colégio, no trabalho, na crisma, ...)? Justifique.
Deve-se anotar o defeito em que mais se identificam (EGOÍSMO, RANCOR, INSEGURANÇA, ORGULHO, PRECONCEITO, PESSIMISMO, INVEJA) no momento em que estão formados os subgrupos para o segundo momento.

A)    Divisão de Grupos

Os catequizandos serão divididos em seis  grupos  onde três grupos colocarão no papel as  qualidades de cada individuo do grupo e os outro colocarão defeitos .
No final os grupos falarão o que colocarão no papel .
Moral da dinâmica: Deus te ama como você, pois todos temos qualidades e defeitos e somos muito importantes para ele.
 “

4 – CONCLUINDO O TEMA ABORDADO – CATEQUISTAS.

5 – ORAÇÃO FINAL: pedidos e agradecimentos.

Texto reflexivo: Deus preferiu contar com você!

     Só Deus pode criar
Mas você pode valorizar
o que ele criou...
Só Deus pode dar a vida
Mas você pode multiplicar
e respeitar...
Só Deus pode dar a fé
Mas você pode dar o seu testemunho...
Só Deus pode dar a paz
Mas você pode dar a união...
Só Deus pode dar a força
Mas você pode apoiar,quem
desanima...
Só Deus pode dar esperanças
Mas você pode ensinar o seu
irmão a amar...
Só Deus pode dar alegrias
Mas você pode sorrir a todos...
Só Deus é o caminho
Mas você pode indicar aos outros
a alegria de viver...
Só Deus pode fazer o impossível
Mas você sempre poderá fazer o
possível...
Só Deus pode fazer milagres
Mas você pode fazer sacrifícios...
Só Deus pode fazer a semente do
bem germinar
Mas você pode plantar no coração
humano...
Só Deus se basta a si mesmo
Mas ele preferiu contar com
Você...

(autor desconhecido)








7º Encontro:  Deus, Jesus Cristo, Santíssima Trindade e Fé. 
28/04/2012
Crisma: Jaqueline e Luciana.


            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.


Tema : Deus, Jesus Cristo, Santíssima Trindade e Fé



1.      ORAÇÃO INICIAL. (10 min.)
2.      LEITURA DO EVANGELHO. (15 MIN)
3.      DINÂMICA (35 min.)
4.      CONCLUINDO O TEMA ABORDADO - CATEQUISTAS (15 min.)
5.      ORAÇÃO FINAL E RECADOS (15 min.)


1 – ORAÇÃO INICIAL

2- LEITURA DO EVANGELHO
 Evangelho de João 10, 11-18
Cada catequizando escreverá no caderno a parte que mais lhe chamou a atenção e juntos iremos entender este Evangelho.

3- DINÂMICA
Leituras Bíblicas:
Deus (Dt 32, 39) , (Mc 12, 29) , (Is 40, 28  (Mt 19, 25-26) ,(Mt 14, 36)
Jesus Cristo (Lc 2, 49).
Santíssima Trindade (Jo 10, 30 , (Jo   14, 7) e Lc 22, 67-70
(Gn 12, 1-12),( Gn 22, 2) e ( Mc 1, 15)

Divisão de dois grupos onde responderão as seguintes perguntas
Quem é Deus para você?
Quais são os atributos de Deus? O que significam?
No dia-a-dia é possível notar a presença de Deus? Como?
Como atuar o mandato de Jesus: “Tome sua cruz e siga-me” nos dias de hoje?
Quem é Jesus Cristo para você?
Quem é o Espírito Santo para você?
O que você espera da Crisma? Você já pensou se precisa ou em que precisa mudar sua vida?
Você já sentiu a presença do Espírito Santo em sua vida? Quando?
Procure notar quantas vezes em uma Missa, o celebrante pronuncia a palavra Espírito Santo. Por que?
O que é ter fé? Tenho fé?

4 – CONCLUINDO O TEMA ABORDADO – CATEQUISTAS.

5 – ORAÇÃO FINAL: pedidos e agradecimentos


6- RECADOS




7º Encontro: 

Quem sou eu para Jesus?
Quem é Jesus para mim?

28/04/2012
Catequistas: Camila e Talita.


            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.
1.      ORAÇÃO INICIAL. (10 min.)
2.      DIÁRIO DE LEITURAS. (40 min.)
3.   MOMENTO DE REFLEXÃO: Quem sou eu para Jesus? (10 min.)
4.   DINÂMICA: "Quem é Jesus para mim?" (20 min.)
5.   RECADOS (5 min.)      
6.      ORAÇÃO FINAL (5 min.)

1. ORAÇÃO INICIAL: rezar com o grupo as orações do cristão.

(Depois sentar-se de maneira a formar um circulo, como de costume.)

2. DIÁRIO DE LEITURA: Separar uma parte do caderno utilizado na catequese e identificá-la como "DIÁRIO DE LEITURA", explicar aos catequizandos que será o espaço onde iremos fazer registros sobre nossas leituras bíblicas. Como primeiro registro anotar as leituras bíblicas do domingo:
  •      Atos dos Apóstolos 4, 8-12.
  •      1 João 3, 1-2.
  •      João 10, 11-18. 
 Orientar os catequizandos a procurar na Bíblia a primeira leitura: Atos 4, 8-12 e pedir para que cada catequizando leia um versículo. Após leitura completa da passagem indicada, deixá-los ler sozinhos, em silêncio, refletindo sobre a leitura. No final, compartilhar a reflexão.
 Repetir os procedimentos com as outras duas passagens bíblicas.

3. MOMENTO DE REFLEXÃO: "Quem sou eu para Jesus?"
Dando continuidade as reflexões do encontro anterior, promover uma roda da conversa sobre o tema e em seguida deixá-los refletir "Quem sou eu para Jesus?" e fazer um relato no caderno.

4. DINÂMICA: "Quem é Jesus pra mim?"(Dinâmica da flor)
Materiais necessários: flores cortadas em papel de seda, caneta e uma vasilha com água.

Fazer uma introdução sobre o assunto e colocar uma música de fundo para o momento de reflexão.
Após um tempo, interromper a reflexão e a música dizendo que tudo o que eles refletiram, deve-se resumir m uma única palavra, devem pensar em uma única palavra que represente "Quem é Jesus pra mim". Continuar a música e deixá-los pensar por mais alguns instantes.
Entregar uma flor para cada catequizando solicitando que eles escrevam no miolo da flor a palavra que escolheram e orientá-los a dobrar as pétalas da flor de maneira a esconder o miolo (pétala por pétala), de forma que a flor guarde esse segredo, a palavra.
Após todos terem dobrado a flor, trocá-la com o amigo da esquerda, porém ninguém poderá abrí-la.
Incentivá-los a querer descobrir quem é Jesus para o amigo, qual palavra ele usou para resumí-lo.
De três em três, os catequizando irão até a vasilha com água colocada em uma mesa no centro e colocarão as flores com as pétalas dobradas para cima, e as pétalas irão se abrir, revelando o segredo, a palavra.
Ir deixando todas as flores na vasilha até que todos os catequizandos descubram a palavra do amigo.
Deixá-los refletir sobre o que aconteceu e após fazer a conclusão: é impossível resumir Jesus em uma única palavra, pois por meio desta dinâmica vimos o quão grandioso e maravilhoso ele é para cada um de nós.

5. RECADOS.

6. ORAÇÃO FINAL: com pedidos e agradecimentos.




 



8º Encontro: 

Maria

05/05/2012
Catequistas: Camila, Jaqueline, Luciana e Talita.


            Preparar um “altar” com a Bíblia, vela, flor, uma imagem de nossa Mãe Maria. Organizar o ambiente de forma acolhedora, no qual os catequizandos sintam-se a vontade para participar, interagir com o grupo e com as catequistas.


1.      ORAÇÃO INICIAL (10 min.)
2.   DIÁRIO DE LEITURA (30 min.)
3.   ATIVIDADE SOBRE O TEMA (15 min.)
4.   CONFECÇÃO DAS EMBALAGENS PARA A LEMBRANÇA DO DIA DAS MÃES / ENSAIO E ORGANIZAÇÃO DA HOMENAGEM PARA O DIA DAS MÃES. (20 min.)
5.   ORAÇÃO FINAL (5 min.)


1. ORAÇÃO INICIAL: orações do cristão.
2. DIÁRIO DE LEITURA: 
  • Separar os catequizandos em três grupos, em cada grupo ficará uma catequista. 
  • Cada grupo receberá uma leitura bíblica:
  1. Atos dos Apostolos 9, 26-31
  2. 1 joão 3, 18-24
  3. João 15, 1-8
  • No grupo farão a leitura bíblica compartilhada, depois individual e silenciosa.
  • Após, um momento de reflexão e partilha
  • O catequizando deverá anotar no diário o que o marcou ou até mesmo copiar um versículo como registro. 
  • Para finalizar os grupos vão partilhar a palavra lida com os demais grupos e catequistas.
 3. ATIVIDADE SOBRE O TEMA:

4.   CONFECÇÃO DAS EMBALAGENS PARA A LEMBRANÇA DO DIA DAS MÃES / ENSAIO E ORGANIZAÇÃO DA HOMENAGEM PARA O DIA DAS MÃES.

5.   ORAÇÃO FINAL: pedidos e agradecimentos.